Configura Nepotismo Nomeação de Cônjuge?

Nomeação de Cônjuge ou Parente Como Secretário em Município Configura Nepotismo?

Nepotismo:

Por muitos anos no serviço público se perpetuou a reprovável prática de “apadrinhamento” político. Comumente, prefeitos, vereadores e ocupantes de cargos públicos indicavam pessoas para cargos públicos, sem, contudo, se observar a competência e técnica necessárias para tanto, ferindo, assim, a moralidade e impessoalidade (até mesmo a eficiência).

O Supremo Tribunal Federal (STF) editou a súmula vinculante de n° 13 proibindo tal conduta, isto é, proibindo o nepotismo. Vejamos:

“A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica, investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança, ou, ainda, de função gratificada na Administração Pública direta e indireta, em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal”

É importante salientar que a vedação ao nepotismo independe de lei, pois o que se busca é a proteção aos princípios da que regem a Administração Pública (moralidade, impessoalidade e indisponibilidade do interesse público).

De acordo com a doutrina (CARVALHO, Matheus, p. 821):

“[…] a vedação ao nepotismo configura aplicação direta dos princípios previstos no art. 37 da Carta da República e, sendo assim, não depende da edição de lei formal para que seja aplicado a todos os entes federados, em qualquer dos seus poderes”.

Nepotismo cruzado:

Ocorre quando um agente público nomeia determinado parente ou cônjuge/companheiro de um segundo agente público em troca de que este último também nomeie parente ou companheira/cônjuge deste.

Exemplo:

Prefeita de uma determinada cidade nomeia a esposa do presidente da Câmara Municipal para cargo comissionado em troca de que este nomeie o filho da prefeita como assessor jurídico.

Como esperado, o nepotismo cruzado também não é permitido. Matheus Carvalho, aduz (p. 72):

“[…] não se admite que, de forma indireta, se garanta a nomeação do parente do agente público, por meio de troca de favores ou favorecimentos pessoais para parentes de outros agentes”.

Vedação ao Nepotismo:

O objetivo é a busca da moralização da coisa pública. Não é possível vislumbrar a devida persecução do atendimento ao interesse público ou mesmo o zelo da coisa pública quando o agente nomeante realiza nomeação de parente ou cônjuge/companheiro para ocupar cargo em público, pois, de forma inegável, configura ofensa ao caput do art. 37, da CF/88.

Entende-se, ainda, que incide o princípio da indisponibilidade do interesse público, pois cabe ao administrador público buscar observar e zelar pelo interesse da coletividade. Vejamos (CARVALHO, Matheus, p. 819):

“A princípio, analise-se que, em decorrência do princípio da indisponibilidade do interesse Público, toda a atuação do administrador deve-se pautar, unicamente, na busca pelo interesse da coletividade, não dando margem a escolhas pessoais, com a intenção de beneficiar a si mesmo ou aos seus parentes”.

Lei 8112/90:

Ainda sobre o tema, o inciso VIII, do art. 117, da Lei n° 8112/90, pauta que ao servidor é proibido:

“VIII – manter sob sua chefia imediata, em cargo ou função de confiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau civil”.

A pena para este tipo de situação será a de advertência, nos termos do art. 129, da Lei n° 8112/90.

Jurisprudência:

A jurisprudência do STF definiu quatro situações onde que verificará a ocorrência de nepotismo:

i) ajuste mediante designações recíprocas, quando inexistente a relação de parentesco entre a autoridade nomeante e o ocupante do cargo de provimento em comissão ou função comissionada;

ii) relação de parentesco entre a pessoa nomeada e a autoridade nomeante;

iii) relação de parentesco entre a pessoa nomeada e o ocupante de cargo de direção, chefia ou assessoramento a quem estiver subordinada e

iv) relação de parentesco entre a pessoa nomeada e a autoridade que exerce ascendência hierárquica ou funcional sobre a autoridade nomeante. STF. 2ª Turma. Rcl 18564, Relator p/ Acórdão Min. Dias Toffoli, julgado em 23/02/2016.

No âmbito dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, a vedação ao nepotismo é regulada pela Lei n° 7203/10. Reitere-se, que a proibição ao nepotismo dispensa a edição de lei, sendo, portanto, autoaplicável com base nos princípios constitucionais já mencionados acima.

Exceção a súmula n° 13, do STF:

Existe uma situação em que a referida súmula não se aplicará. Trata-se dos cargos de natureza política, com é o caso dos secretários municipais, por exemplo. Recentemente, o STF decidiu:

“A nomeação do cônjuge de prefeito para o cargo de Secretário Municipal, por se tratar de cargo público de natureza política, por si só, não caracteriza ato de improbidade administrativa. STF. 2ª Turma. Rcl 22339 AgR/SP, Rel. Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Gilmar Mendes, julgado em 4/9/2018”.

Atente-se, entretanto, que a exceção acima não é absoluta. Em situações em que se verificar a notória “falta de capacidade técnica ou mesmo a ausência de idoneidade moral restará configurado o nepotismo” (STF. 1ª Turma. Rcl 28024 AgR, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 29/05/2018.).

Mais uma observação: E se a nomeação foi em razão de aprovação em Concurso Público?

É de máxima importância destacar que não se pode falar em nepotismo quando a nomeação se dá por meio de concurso público em cargo efetivo.

 “Norma que impede nepotismo no serviço público não alcança servidores de provimento efetivo”  STF. Plenário. ADI 524/ES, rel. orig. Min. Sepúlveda Pertence, red. p/ o acórdão Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 20/5/2015

Isto é, mesmo que a pessoa nomeação seja parente ou conjunge do nomeante, não haverá nepotismo se o ingresso na carreira pública se através de concurso público com a consequente aprovação

Bibliografia:

CARVALHO, Matheus. Manual de direito administrativo/Matheus Carvalho – 4. ed. rev. ampl. e atual. – Salvador: JusPODIVM, 2017.

Veja mais do nosso trabalho em:

Processo Penal: Embargos de Declaração (ART. 382, DO CPP)

Demora Excessiva Para Concessão de Aposentadoria Gera Dano Moral

Tipos, Prazos e Requisitos Para Usucapião

Em primeiro lugar, acima de tudo, precipuamente, principalmente, primordialmente, sobretudo. Em primeiro lugar, acima de tudo, precipuamente, principalmente, primordialmente, sobretudo.acima de tudo, primeiramente, primordialmente. Em primeiro lugar, acima de tudo, precipuamente, principalmente, primordialmente.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 683 outros assinantes

Deixe uma resposta